terça-feira, 5 de maio de 2015

#OcupeEstelita


Recife voltei por tuas esquinas
Por tuas ruas 
Pela tua Aurora, do Sol & da Praia...
Pelas pontes de ferro & fogo
Pelo povo

Ácida(de) grande 
Tão pequena
Que cabe num poema

A Veneza venenosa...
Asfáltica asmática
Paralelepípeda
Barrenta & barroca 
Tuas igrejas e teus santos de casa
Que não fazem milagres

Teus becos & bordéis 
Teus cantos e cartéis 
[Recife é Boa Vista
Boa a prazo]

Especula-se que teus homens de preto
Querem te derrubar
Vejo imóveis
Que me deixam imóvel

Torres sendo construídas por peões
Que trabalham como cavalos
Para homens com reis na barriga
Com dinheiro e/ou cheque$ 
[Matem-se]

Projeto urbanístico
Fatídico caótico
Das grandes construtoras
Que desconstroem história
Desmobilizam prédios
Demolem armazéns
Destroem culturas

Voltei mas não fico aqui
Recife
Fui-me embora 
Minha Pasárgada

Mas ainda
Pela melancolia (des)ritmada 
Saudade que me invade
Eu peço cais.




Salve Cais José Estelita!
#ResisteEstelita




Caranguejunior






Um comentário:

André Dia(s,z)? disse...

Meu amigo! O lugar que foi palco de nossa juventude, sempre vai ser mágico,mesmo com as mudanças vai continuar aquela lembrança meio nebulosa que com certeza é a poesia de nossa mente! Abraço!