sexta-feira, 11 de março de 2011

EU NÃO SOU POETA! (versicultor)

Eu não sou poeta
Aliás
Nem sei que raios eu estou fazendo aqui
Nesse mundo de loucos

Já nasci apanhando
Levando palmadas
E nu
Sem o cú virado pra lua
Com o pau de fora
E vou embora nem sei pra onde
Vestido num paletó de madeira
Com flores ao redor
Sob sete palmos de terra
E vermes roendo meu cérebro

E por falar em flores
Essa é a única certeza que tenho
Levarei flores comigo
Serão minhas companheiras
Não quero choro
Nem velas
Não verei lágrimas caindo por mim
Nem velas acesas em meu nome
Pois, nunca fui santo
Só vou querer flores várias
E meus CDs de Manguebeat
Esses sim...
Quero levá-los comigo
Quem sabe?
Acredito eu que
O lugar para onde irei
Tenha um som estéreo
Umas cervejinhas
E algum doido pra jogar conversa fora...

Como eu estava dizendo
Não sou poeta
Sou um sonhador
Um lunático
Preso entre grades e
Paredes de concreto armado
Até os dentes
Tentando plantar poesia
Nos crânios dos suicidadãos
Dessa cidade psicodélica
Nem sempre consigo
Pois, aqui o tempo vive fechado
Pra balanço
E há inundações e enchentes constantes
Que adentram as cabeças
E tal qual tsunamis
Devastam os poucos pensamentos bons
Que ainda restam por lá
Porém, o terreno é fértil
E a poesia sempre dá um jeito
De brotar...



Caranguejúnior

Um comentário:

André Dia(s,z)? disse...

Concordo com cada palavra, amigo poeta!