segunda-feira, 19 de setembro de 2011

A CAIXA DE CADA UM (PAPOETARIA DO TIETÊ)

Na minha caixa
Cabe nada e tudo
Cabe o branco e o escuro
Cabe o mar
Iemanjá

Na minha caixa
Cabe tudo e nada
Cabe o beijo da namorada
Cabe as Pirâmides do Egito
Cabe o grito

Na minha caixa
Nada e tudo cabe
Rosas Guimarâneas
Pra Lê Minsk
E o olhar de Clarice

Na minha caixa
Tudo e nada cabe
Paráforas e metábolas
Engenhocas e repimbocas
Einsteins e Franksteins

Te digo amigo
Que na minha caixa
Cabe a noite e o dia
Cabe um tantinho assim
De poesia
 
Poema arquitetado e encaixotado na Oficina Papoetaria do Tietê realizada no Tendal da Lapa aos sábados. 

Conheça os Poetas do Tietê
 
 
 
Caranguejúnior

2 comentários:

André Dia(s,z)? disse...

Cabendo poesia, o resto o poeta consegue inventar, né, amigo!

Abraço!

Jéssica Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.