terça-feira, 20 de setembro de 2011

POEMA SOUZA CRUZ


Sonhei que era o cigarro de Clarice 
Toda vez que ela tragava Minh’alma
Via as palavras brincando em sua boca
Formando versos de fumaça
Seus pulmões eram o Playcenter
Hopi Hari, Happy Air!!
Toda vez que ela soltava-me
Meu espírito voava como poesia ao ar 

Sonhei que era o Cigarro da Lispector (a Clarice)

Ela estava sentada
Em sua poltrona na sala
Pensamentos longínquos
Fumaças ao ar

Não havia nenhum passivo fumante
Que pudesse me inalar e estragar
Aquele instante vicioso. Ela e eu, só. 

Sonhei que era o cigarro da Lispector
Eu, entre seus dedos
Morria devagar

Manchado de batom
Definhando aos poucos

E ela nicotinamente relaxando

Sua brilhante mente
Brilhantemente

Sonhei que era o cigarro de Clarice

Aquela flor de Liz(pector)
Observei-a escrevendo um poema
Um poema sonhador, um poema Souza Cruz
E meus olhos em brasa de mero cigarro aceso. 

Sonhei que era o cigarro de Clarice Lispector
Foram três minutos de ápice
De repente, Morri

Deixei restos de mim em seu ser
Enfisemas poemas taquicardias poesias

Acordei suado e amando
Pois naquele cinzeiro
Que ela me apagou
Existiam vários “eus” depositados
Que foram extintos em seus lábios




"Escrevo como se estivesse dormindo e sonhando: as frases desconexas como no sonho. É difícil, estando acordado, sonhar livremente nos meus remotos mistérios."


Clarice Lispector




Caranguejúnior








4 comentários:

André Dia(s,z)? disse...

Porra! Tá de parabens!! Muito bom!

Fernanda ಌ disse...

E eu que nunca vi o Jr fumando... Se não for mesmo fumante, entende tudo! Parabéns!

Jéssica Costa disse...

Poema bacana e estiloso.


Eu não fumo, mas fiquei com vontade de ascender um Marlboro em homenagem a ele.

Macabea de La Mancha disse...

Já sonhei com Clarice ( a Lispector) diversas vezes - sua poesia em prosa, em veneno, em crueza e verdade me inspiram!

Gostei do poema e do blog!

Seguindo!

Abraço

Camila Paula